Igreja Episcopal Anglicana do Brasil . Diocese meridional
 
 
home eventos
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil . Sacramentos
 

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) é uma igreja sacramental. Os sacramentos são sinais externos e visíveis de uma graça interna e espiritual. Os sacramentos foram instituídos por Jesus Cristo como meios seguros para receber esta graça.Os sacramentos expressam a crença da Igreja na natureza sacramental do universo e da vida. Isso significa que Deus está presente e atuante na criação em todos os seus aspectos. Esta verdade foi expressa de maneira definitiva pela entrada de Deus na história humana. Deus se fez homem em Jesus Cristo. Existem dois sacramentos: o Santo Batismo e a Santa Eucaristia. Esses dois sacramentos foram ordenados por Cristo como necessários para a salvação, ou seja, são os principais meios de graça sacramental para aqueles que aceitam o evangelho derentor de Jesus Cristo.

Há outros ritos, chamados também de sacramentos menores, tradicionalmente aceitos e reconhecidos pela Igreja. Embora não tenham sido especificamente ordenados por Jesus, a IEAB os reconhece como tendo também caráter sacramental. São cinco os sacramentos menores: a Confirmação, a Penitência, as Ordens Ministeriais (Bispo, Presbítero e Diácono), o Matrimônio e a Unção de Enfermos.

Santo Batismo

A filiação à Igreja se dá pelo batismo, que é o sacramento da iniciação cristã, o ato de ingresso na comunidade eclesial. O sinal externo do batismo é o derramamento da água ou imersão em nome da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo) e a graça interna e espiritual é a nova vida ou a morte para o pecado e a ressurreição dos mortos. O batismo é o nascimento para a vida eterna, que começa na vida terrena.

Pessoas de qualquer idade podem ser batizadas, desde que não tenham ainda sido batizadas. A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) pratica o batismo infantil, como fazia a Igreja primitiva, embora os primeiros convertidos ao Cristianismo fossem adultos. A Igreja é a família de Deus e, como acontece na família terrena, os pais cuidam dos filhos até que adquiram a maioridade para assumirem a sua própria responsabilidade. A Igreja Episcopal reconhece como válido qualquer batismo com água, administrado em nome da Santíssima Trindade. Não pratica o rebatismo. Em caso de dúvida, a liturgia do batismo possui uma fórmula para o batismo condicional. Qualquer pessoa batizada pode participar da Santa Eucaristia e receber regularmente os elementos da santa comunhão, se para isso se julgar digna diante de Deus.

Na Igreja primitiva, a vida cristã era muito difícil e incerta. Havia a possibilidade da criança batizada ficar aos cuidados de uma família pagã. Seguindo o antigo costume, a IEAB faz uso do costume de adotar padrinhos. Os deveres dos padrinhos são grandes e importantes e fazem parte da administração do santo batismo. Por isso, exige que os padrinhos sejam também batizados, ou que, pelo menos, recebam alguma instrução sobre os deveres e responsabilidades que assumiram, e expressem a vontade de cumpri-los fielmente.

Santa Eucaristia

A Santa Eucaristia, também chamada de Santa Ceia, Santa Comunhão ou Santa Missa, é o alimento espiritual por excelência dos cristãos e o principal ato de adoração pública da comunidade local. Os sinais externos e visíveis do sacramento da Eucaristia são o pão e o vinho consagrados pelo sacerdote. A graça interna e espiritual é o corpo e sangue de Cristo. Na última ceia com os discípulos, Jesus disse que toda a vez que comermos deste pão e bebermos deste vinho, estamos fazendo isso em sua memória. A palavra que traduzimos por memória vem do grego anamnesis, que significa muito mais do que simplesmente lembrar ou recordar: significa estar presente.

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) não procura explicar teologicamente como se dá a presença real de Cristo na Eucaristia. Esse santo sacramento é um profundo mistério (e todo mistério é inexplicável), que reúne milhões de cristãos todos os domingos há dois mil anos, para participar deste pão e deste vinho em comunhão com Deus, com Jesus e com todos os cristãos de todos os tempos e em todos os lugares.

Confirmação

Na Igreja Primitiva, o bispo impunha as mãos sobre os novos membros, pedindo os dons do Espírito Santo para guiar as suas vidas no conhecimento e no amor de Deus. Quando grandes multidões começaram a se filiar à Igreja, os bispos permitiram que os presbíteros batizassem e celebrassem, mas reservaram para si a imposição das mãos. A Igreja espera que todo o membro batizado, em determinado momento de sua vida, compareça na presença do bispo, principal guia espiritual e sucessor dos apóstolos, para reafirmar a sua intenção de viver como cristão e receber o tradicional rito da Confirmação, quando se julgar suficientemente preparado para fazer sua própria decisão pessoal de seguir a Jesus Cristo e renovar os votos batismais, que os padrinhos fizeram em seu nome.

A palavra Confirmação vem do verbo confirmar, que significa também tornar firme, fortalecer. É a segunda fase da iniciação cristã. Os primeiros cristãos convertidos na Igreja Primitiva eram adultos e a imposição das mãos era feita logo após o batismo. A pessoa confirmada assume o compromisso de ser um mensageiro das Boas Novas da salvação na comunidade local. A Confirmação é sempre administrada por um bispo, que outorga ao novo confirmado a responsabilidade de ser uma testemunha do evangelho de Jesus Cristo n mundo. Para ser confirmado, a pessoa precisa ser batizada, ter aceito a Jesus Cristo como seu Salvador e receber instrução apropiada para ser um fiel membro da comunidade cristã, a Igreja.

 

 
   
© 2008 Igreja Episcopal Anglicana do Brasil . Diocese Meridional . desenvolvido por k.design